quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Que noite absurdamente calma, Waldick!



Não foi surpresa, porque já era anunciado há muito tempo, mas é sempre um susto saber
do anúncio da morte de alguém. Principalmente alguém mítico como Waldick, personagem da nossa infância, o conterrâneo que "deu certo" contra todas as possibilidades. Desgraçadamente falei dele há pouco tempo no blog, para comentar sobre o péssimo filme que Patrícia Pillar fez em sua homenagem. Waldick merecia mais, muito mais que isso. Que descanse em paz, ele que soube sorver a vida com tanta sofreguidão. Nossas saudades...

3 comentários:

::Soda Cáustica:: disse...

queria muito ver o filme feito por Flora, da novela. Sabia que n era grandes coisas, mas quero criticar de maneira consistente, como vc, que viu e conhece Waldick de longas datas.

bjo cristi, saudades

Marcus disse...

Chega de luto, garota. Vamos à luta!

Anônimo disse...

Dizia um francês ( Bossuet):
"On doit la verité aus morts". Concordo com o registro de que Waldick Soriano, o grande seresteiro que veio de Brejinho das Ametistas, deu seu recado ao mundo. Orgulho-me de ser conterrâneo dele. Sempre sorri de suas presepadas, suas mentiras, sua valentia de teatro.
Lucílio Mancio.