terça-feira, 10 de abril de 2007

Apenas um


Sei que chegará, tranqüilamente, o dia em que todo mundo vai ter um. Apenas um. Um pai, uma mãe, uma refeição, uma casa, um amigo, uma escola, um hospital, um parque, um analista, uma praia, uma tv, uma montanha, um meio de transporte, uma estrela, uma jangada, um arco-íris, um trabalho, um som, um cd “Cantigas de Infância”, um pé de mimo do céu, um de flamboyant e um de acácia. Basta um. Não é necessário mais de um. Tudo demais é sobra, é desperdício, é luxúria.

Um é luxo. Luxo para TODOS. Eu disse TODOS os habitantes do planeta Terra. Isso não é uma utopia. É a verdadeira ordem mundial e o meu mais profundo desejo. Espero ainda estar viva para ver este dia. Se não, pouco me importa.

2 comentários:

Luiz Carlos Rufo disse...

Estas a navegar, tranqüila, e já ganhastes um pequeno porto de atraque em seu mapa. Lá, nesse trapiche, ha bandeirinhas sempre muito coloridas, vê-se de longe, que flamulam a te esperar.

cacos meus botoes disse...

Obrigada, meu capitão, por esse histórico primeiro comentário. O primeiro comentário a gente nunca esquece...